Pesquisar este blog

Translate This Post

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

TVs por assinatura tem 45 dias para sequenciar canais obrigatórios


A Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) solicitou que todos os canais chamados obrigatórios deverão estar em um bloco só e em sequência numérica na programação das TVs por assinatura. As operadores de TV (reguladas pelo serviço de Acesso Condicionado – SeAC) terão 45 dias para se adequarem.
A Abratel encaminhou à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) solicitações para que essa norma (já prevista pela própria Agência) fosse cumprida. Atendendo ao pedido da Associação, a Anatel publicou hoje( 28/11/2013) no Diário Oficial da União despachos que deliberam sobre a questão.
Na prática, canais como Band, Rede TV, Record, Globo, SBT, Record News, Abril, Rede Vida, CNT, por exemplo, deverão constar na grade de programação das TVs por assinatura em um bloco apenas.
Quanto ao sequenciamento, estes canais não poderão mais ser disponibilizados separados no line up. Atualmente, enquanto os canais abertos estão, por exemplo, foram numerados de 2 a 30, outros estão depois do 100.
Outra questão importante se refere aos pacotes. Este bloco de canais deve constar do pacote mais básico até o mais completo que for disponibilizado ao assinante.
A exemplo do trabalho desenvolvido pela Abratel no carregamento de canais (quando as TVs por assinatura foram obrigadas a carregar os 14 canais obrigatórios) essa nova medida reforça a valorização da radiodifusão brasileira. “A ratificação dessa decisão, além de ser benéfica para a TV aberta gratuita, é uma grande demonstração de respeito pelo consumidor”, afirmou Luiz Cláudio Costa, presidente da Abratel.
Caso a determinação não seja atendida, as prestadoras estarão sujeitas à multas diárias e, até mesmo, suspensão da comercialização dos serviços.
Fonte : Abratel ( por João Camilo Ascom Abratel Com a Colaboração de Karla Sena)

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Twitter quer integrar anúncios com TV !

Rede social quer explorar a sua conexão com a TV para a captação de receitas publicitárias


Disponível nos EUA e Reino Unido, nova ferramenta da rede social oferece aos anunciantes a inserção de mensagens patrocinadas simultâneas às campanhas televisivas.

Depois de se firmar como uma plataforma de mídia por meio dos chamados “Promoted Tweets”, o Twitter apresenta, agora, uma nova ferramenta com a qual pretende se posicionar como uma mídia complementar à televisão, aproveitando o uso simultâneo das duas telas, já constatado por diversas pesquisas e estudos em todo o mundo.

Nesta semana, a rede social anunciou a criação da chamada TV Ad Targeting, uma ferramenta que oferece aos anunciantes a possibilidade de interagir com o público do Twitter no momento em que ele está sintonizado em algum programa de TV, de preferência no qual ele já apareça com um anúncio no intervalo comercial. De acordo com informações do blog oficial do Twitter, os testes realizados nos últimos meses com marcas como Adidas, Holiday Inn Express, Jaguar e Samsung mostraram que esses anunciantes conseguiram um impacto 95% maior nas mensagens direcionadas aos usuários no Twitter do que conseguiriam com um comercial isolado na televisão. Além disso, a intenção de compra demonstrada com a combinação das duas mídias cresceu 58%.

A rede social também anunciou a ampliação de suas métricas de análises e mensuração de resultados para proporcionar aos anunciantes uma visão mais ampla acerca do impacto e aceitação de suas mensagens no Twitter. Por enquanto, o serviço está disponível apenas nos mercados dos Estados Unidos e no Reino Unido, mas a rede social já sinalizou a intenção de expandi-lo para outros países – entre eles, o Brasil. Canadá, França e Espanha também já devem ter a nova ferramenta comercial dentro de algumas semanas.

Leia Mais: http://www.meioemensagem.com.br

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Metade do planeta já tem TV digital



Os últimos dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT) mostram que a televisão digital está presente em 55% dos lares em todo o mundo até 2012, contra 30% em 2008. De acordo com a UIT, enquanto a TV digital já está em 81% das residências nos países desenvolvidos, nos países em desenvolvimento o aparelho digital está em apenas 42% das casas, embora este número seja o triplo desde 2008. O órgão destaca benefícios da implantação da TV digital e a maior diversidade de conteúdo, a concorrência entre os operadores e as novas tecnologias, como IPTV, cabo e satélite. Também as plataformas de televisão multicanal tradicionais, como o cabo e serviço de satélite direct to home (DTH), enfrenta a crescente concorrência de provedores de Internet TV (IPTV) e até mesmo canais TV digital terrestre (TDT).


Segundo a UIT, nenhum país da América Latina concluiu na íntegra a chamada “transição para o digital”, que é a cessação dos sinais analógicos de televisão. O processo foi adiado várias vezes devido à preocupação das autoridades para garantir que a maioria das pessoas tem os decodificadores necessários conseguir o acesso à nova tecnologia. Os países que estariam em trânsito para TV digital em 2015 são o México, Uruguai e República Dominicana, o resto têm atrasado o processo até 2017-2020, ou não tem uma data definida.



O número de assinantes de TV paga também aumentou em todo o mundo 32% entre 2008 e 2012, superando a televisão de acesso livre em 2011. No final de 2012 havia um total de 728 milhões de assinantes de TV paga, o que significa que 53% de todas as famílias do mundo tinha uma inscrição para o sistema de televisão codificado.

A tecnologia com maior crescimento relativo nesses quatro anos foi o IPTV - quadruplicou o número de assinaturas, mas a tecnologia ainda é marginal na oferta de serviços, ficando com apenas 5% do mercado em 2012, pondera a UIT.  E o levantamento mostra uma realidade já percebida: a TV pela internet está se tornando cada vez mais popular em função de provedores como NetFlix, You Tube e o serviço PPLive, da China. Diante do cenário, atesta o levantamento, as próprias emissoras tradicionais já começam a oferecer streaming ou download de conteúdo de TV e vídeo.

"As novas tecnologias estão criando uma infinidade de plataformas de compartilhamento de conteúdo. A TV está ficando muito mais acessível" ponderou Dr. Hamadoun I. Touré , Secretário-Geral da UIT ."Isso é muito importante no mundo em desenvolvimento , onde a TV continua a desempenhar um papel importante na educação e compartilhamento de conhecimento", completou.

Os dados da UIT mostram que havia uma estimativa de 1,4 bilhão de domicílios com pelo menos um aparelho de TV no ​​final de 2012. No mundo em desenvolvimento como um todo, 72% das famílias tinham uma TV , em comparação com 98% de penetração residencial nos países desenvolvidos. Mas há espaço para o mercado crescer. Na África, por exemplo, menos de um terço dos domicílios tinham uma TV no ​​final de 2012.



Fonte: UIT (União Internacional de Telecomunicações)

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Testes de interferência da LTE na TV digital começam 9 de dezembro


A cidade histórica de Pirenópolis, perto de Brasília, foi a escolhida
Os testes em campo para medir a interferência do celular nos sinais de TV digital na faixa de 700 MHz, que será leiloada no próximo ano pelo Ministério das Comunicações, começarão a ser feitos no  próximo dia 9 de dezembro, informou hoje o presidente interino da Anatel, Jarbas Valente, em audiência pública no Senado Federal.

Segundo o conselheiro, os testes serão feitos em parceria com  as instituições universitárias como  Inatel, UnB, Mackensie, entidades que congregam as emissoras de radiodifusão as operadoras de telecomunicações. Para Valente, deverá haver problemas com a interferência da banda larga móvel nos sinais de TV apenas em pontos localizados, que poderá ser mitigado com a coordenação da Anatel, e com a instalação de filtros.

Já para os radiodifusores, os riscos de interferência são muito maiores. Conforme dirigentes da SET, entidade que congrega os engenheiros de TV, os testes já realizados por eles demonstram que a estação radio base das operadoras de celular interfere diretamente nos canais digitais de números 47 a 51; e o aparelho de celular interfere nos canais 38 a 45
.


Para Valente, no entanto, a interferência será muito menor, e seus custos estarão estabelecidos no edital de licitação da frequência.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

TV no celular chega a 10% da população

O Ibope Media estima que 10% da população brasileira tenha acesso à recepção de TV em celulares, com base na cobertura do Target Group Index. 
Esse número é 4% maior do que em 2010, quando a penetração era de 6% (Fonte: Target Group Index | SP, RJ, POA, CTB, BHZ, SAL, REC, FOR, DFE e os interiores de SP e das regiões sul e sudeste) .Como noticiado semana passada, o instituto está testando a medição de audiência nestes aparelhos, mas ainda não há resultados definitivos, e nem mesmo foi fechada uma amostragem final. 
A coleta da audiência acontece via aplicativo, instalado nos celulares dos painelistas (participantes da amostra).
O aplicativo instalado no servidor captura as sintonias das emissoras assistidas na TV digital do celular, enviando as sintonias para os servidores do Ibope Media.

Fonte: Exame.com

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Filipinas é o 15º pais no mundo a adotar o padrão ISDBT .

O governo das Filipinas confirmou a utilização do padrão nipo-brasileiro ISDB-T  para transmissão de televisão digital terrestre.
A adoção foi anunciada pela Comissão Nacional de Telecomunicações das Filipinas, após uma reunião pública realizada no dia 29 de outubro. Há dois anos, com a aprovação oficial da tecnologia, a Comissão recebeu orientação para examinar a possibilidade de usar DVB-T2, mas o sistema europeu foi novamente rejeitado.
Até o final de novembro, a Comissão emitirá uma circular formal sobre a adoção. Com isso, o ISDB-T já é utilizado por 15 países. Uruguai, Argentina, Paraguai, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Venezuela, Costa Rica, Botswana, Guatemala e Honduras também já optaram pelo ISDB-T, além de Brasil e Japão.
O padrão nipo-brasileiro proporciona maior qualidade da imagem e do som, possibilita a interatividade com o telespectador e acesso por dispositivos móveis, como celulares, tablets e aparelhos GPS. Outra vantagem do sistema é que o Brasil e o Japão oferecem oferta de capacitação tecnológica e transferência de tecnologia aos países que optam pelo sistema.
Para quem acompanha essa pagina, em 2011, eu estive nas Filipinas promovendo o Padrão ISDBT  e fico feliz de noticiar agora quase dois anos depois que o finalmente o pais adotou nosso sistema.
http://tvdigitalbr2010.blogspot.com.br/2011/12/o-avanco-do-isdbt-b-pelo-mundo.html)

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Relatório mostra que TV concentra a maior parte do faturamento de meios de comunicação


O relatório da Subcomissão Especial da Câmara dos Deputados sobre Mídia Alternativa aponta que a televisão concentra 64,8% do faturamento total dos meios de comunicação brasileiro, incluindo emissoras de rádio e de TV, jornais, revistas, midia exterior , TV por assinatura, internet, guias e listas e cinema.

Em 2012, o faturamento total desses meios foi de R$ 16,6 bilhões, sendo que a TV se apoderou de mais de R$ 10,8 bilhões. “Esse bolo foi majoritariamente distribuído entre as quatro maiores empresas do setor: Globo, Record, SBT e Band”, informou a relatora da subcomissão, deputada Luciana Santos (PCdoB-PE). “Mas, mesmo entre essas oligopolistas, a distribuição é desigual, já que a Rede Globo, sozinha, abocanha algo próximo a 70% das verbas destinadas à televisão”, complementou.

Verbas oficiais

A deputada também afirmou que o governo federal hoje estimula essa concentração de faturamento em poucos veículos de mídia, ao distribuir as verbas oficiais de publicidade. “Segundo dados divulgados pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República [Secom] em abril deste ano, a televisão recebeu aproximadamente 62% das verbas federais de publicidade”, apontou. “E a Rede Globo, mais uma vez, é a principal beneficiada. No ano de 2012, a empresa recebeu 43% do total de verbas destinadas à televisão”, complementou.

Luciana Santos acrescenta ainda que há concentração regional, com a maior parte do faturamento dos meios de comunicação se concentrando em poucas cidades. “Segundo dados do Projeto Inter-Meios, 26,8% do faturamento bruto das empresas de mídia vem de empreendimentos localizados na Grande São Paulo; outros 12,6% são originados por empresas situadas no estado do Rio de Janeiro”, disse.

Para apresentar as propostas sugeridas em seu relatório, a deputada se inspirou em projetos aprovados na 1 conferencia de Comunicação, realizada em 2009; em propostas de movimentos sociais que lutam pela democratização das comunicações; e de propostas já em tramitação na Câmara.

fonte : Agencia Camara Noticias

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Operadoras serão responsáveis pela realocação de canais da faixa de 700MHz !!

Publicação do edital depende de um regulamento que garanta a ‘convivência’ dos serviços de telecom e radiodifusão.
A Anatel aprovou na quinta-feira (31) a destinação da faixa de 700MHz para as empresas de telecomunicações, mas a destinação só entra em vigor com a publicação do edital de licitação.
A faixa, conhecida como dividendo digital, abriga hoje os canais UHF de 52 a 69, entretanto, a publicação do edital depende de um regulamento que garanta a ‘boa convivência’ dos serviços de telecom e de radiodifusão, após o replanejamento dos canais públicos.
Mas, uma das premissas para o uso da faixa pelas empresas de Telecom é o custo. Elas devem ser responsáveis pela redistribuição dos canais da radiofusão e pelos possíveis problemas de interferência – item que estará explícito no edital.
A infraestrutura também poderá ser usada por mais de uma prestadora, desde que as empresas estejam aptas e autorizadas para prestar o serviço e a radiofrequência utilizada seja outorgada por pelo menos uma dessas empresas.
Segundo a Agência, o processo está alinhado às normas de ‘harmonização’ da UIT (União internacional de Telecomunicações) o que pode garantir benefícios em equipamentos de rede, terminais para usuários e redução de custos.
A agência também considera que o uso da faixa será essencial para massificação dos serviços de banda larga no país, inclusive em áreas ainda não atendidas, como a rural.

Fonte: Anatel ( Ip News )